Quarta-Feira, 22 de maio de 2024
Justiça no Interior

VITÓRIA DA CONQUISTA: “passada as eleições toda possível divergência deve ser dissipada”, pede Luciana Silva, primeira mulher presidente da OAB

Foto: Arquivo Pessoal

Por: Justiça no Interior 

Pela primeira vez na história a OAB-subseção de Vitória da Conquista terá uma mulher no cargo máximo da entidade. Em uma disputa dura, a advogada Luciana Santos Silva venceu o advogado Jônatan Mereles, por 444 à 404, em votação que aconteceu na quarta-feira, 24. 

Luciana representou a Chapa “Advocacia Forte e Unida” e teve como candidato a vice-presidente o advogado Frederico Silveira. Ainda compõem a diretoria eleita para o triênio 2022-2024 os advogados Fagner Guimarães (Secretário Geral) e Wendel Silveira (Secretário Adjunto) e a advogada Daniella Miranda (Tesoureira).

Luciana Silva tem 43 anos, advogada com mais de 20 anos de atuação e é professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, onde ocupa a coordenação da Clínica de Direitos Humanos da Uesb. Ela já foi membro da diretoria da OAB-Conquista, presidente do conselho editorial, presidente de comissão, membro da câmara de prerrogativas e conselheira seccional. 

Em entrevista concedida ao Justiça no Interior, na sexta-feira, 26, Luciana afirma que passada as eleições toda possível divergência deve ser dissipada. CONFIRA: 

JUSTIÇA NO INTERIOR: Como unir a classe após uma eleição muito disputada?

LUCIANA SILVA: A eleição disputada mostra o engajamento e compromisso dos colegas com os destinos da OAB e passada as eleições toda possível divergência deve ser dissipada estando a OAB aberta para todas e todos que queiram contribuir com a gestão.

J.I.: A Ordem sai fortalecida?

L.S.: Não tenho dúvidas de que a OAB sai fortalecida do pleito eleitoral que é um importante instrumento de consolidação da democracia.

J.I.: Qual o primeiro passo da futura gestão?

L.S.: O primeiro passo da futura gestão será a implementação das propostas de campanha e a formação da equipe de trabalho.

J.I.: Qual o principal enfrentamento para o próximo triênio?

L.S.: O principal enfrentamento do próximo triênio será superar as consequências da pandemia junto a advocacia e a sociedade em geral no que diz respeito aos direitos fundamentais, a exemplo do acesso à Justiça.

J.I.: Mãe, advogada, professora e agora presidente da OAB. Como organizar a vida com tantas atividades?

L.S.: Sempre participei de muitas atividades e o segredo é organização.

J.I.: Quem será a Luciana presidente?

L.S.: Luciana presidente não será diferente da Luciana advogada, professora e mãe: comprometida, dedicava, entusiasta do trabalho colaborativo agregando colegas no fazer coletivo.

J.I.: O que representa ser a primeira mulher presidente da OAB-Conquista?

L.S.: Ser a primeira mulher presidente é saber que ninguém chega aos espaços de representação coletiva sozinha, que isso só foi possível com o apoio de muitas mulheres e homens que desejam maior representatividade e diversidade na OAB.

J.I.: Qual recado para os colegas?

L.S.: Que passada as eleições somos advogadas e advogados com o compromisso com o fortalecimento da nossa classe e das sociais da OAB.


COMPARTILHAR